Por Compro Ouro BH Publicado em: 08/out/2019

Antes de esclarecer as dúvidas mais comuns sobre pedras preciosas brutas, convém fazermos uma diferenciação entre os três estados mais comuns em que essas pedras podem ser encontradas.

Por pedras brutas, entende-se o mineral no estado em que foi extraído da natureza. Pelo processo de lapidação, ele pode ser entalhado, transformando-se em uma gema. A gema é, então, trabalhada junto de outras pedras preciosas e materiais. O resultado desse trabalho é um produto esteticamente pensado para atender a altos padrões de beleza: a joia propriamente dita.

No entanto, o objeto deste artigo é a pedra em seu estado natural isto é, as pedras preciosas brutas. Nele, vamos tirar as dúvidas mais comuns que as pessoas apresentam no processo de compra e venda de joias, além de desfazer outras confusões que cercam o tema. Acompanhe!

1. Qual é o valor de uma pedra preciosa bruta?

Antes de definir o valor de uma pedra, deve-se atestar sua autenticidade. Existem diversos testes para isso, alguns bastante técnicos e que envolvem ferramentas específicas e outros que podem ser feitos por não especialistas. Dentre os mais simples, podemos destacar:

  • a comparação da pedra que está em sua posse com tabelas de pedras preciosas físicas ou na internet;
  • a observação da superfície, para saber se está rugosa ou áspera (pedras preciosas brutas autênticas costumam apresentar superfície lisa);
  • o exame de aspectos físicos como cor, transparência, tom e saturação, assim como a maleabilidade da pedra;
  • Verifique a temperatura da pedra. Pedras naturais possuem toque “frio”.

Apesar destes testes mais simples ajudarem, somente um especialista poderá atestar o tipo de pedra que estamos analisando. Depois de determinada o tipo, o valor da pedra bruta pode ser estipulado com base em alguns fatores, mas nenhum deles é fixo. Assim, por exemplo, pedras belas e raras são mais estimadas. O quilate — tamanho e, consequentemente, o peso da pedra — é o fator mais objetivo, seguido pela cor e a pureza. Como são muitos os elementos que influenciam no preço das pedras, o melhor é solicitar uma avaliação com um especialista.

2. Por que é preciso lapidá-la?

A lapidação é um processo artístico que interfere na beleza da pedra, assim como no uso que se pretende fazer da gema. Uma lapidação mal feita pode diminuir muito o valor de venda do produto final, ao passo que uma lapidação de qualidade aumenta o valor da gema.

3. Pedras pequenas têm menor valor?

Quando comparamos um mesmo tipo de pedra preciosa, sim. Por exemplo, o preço do diamante aumenta conforme o quilate. Isso significa que quanto maior a pedra, mais caro será o seu valor por quilate (ct). Mas repare que o quilate não é um critério para ser utilizado entre pedras diferentes.

Pedras diferentes possuem valor de quilate diferentes. A qualidade da pedra também será determinante. Um pedra grande de baixa qualidade poderá ter valor menor que uma pedra menor perfeita.

4. Se a pedra não for lapidada, isso pode inviabilizar a compra dela?

Depende. É possível encontrar locais que vendem e compram pedras não lapidadas. Inclusive, algumas joias são fabricadas utilizando pedras nesse estado.

De qualquer forma, uma pedra bem lapidada sempre possuirá um melhor valor de marcado.

Como você deve ter percebido, há tanto critérios objetivos quanto subjetivos que determinam o valor de pedras preciosas brutas. Assim, se você quer ter certeza sobre o assunto, o melhor é ir até um especialista e pedir uma avaliação.

E como abordamos, neste artigo, a quilatagem das pedras, pode ser que você queira se aprofundar no assunto. Se quiser, não deixe de conferir nosso conteúdo sobre o maior diamante bruto já leiloado!


Por Compro Ouro BH Publicado em: 08/out/2019

Receba nossas dicas